Comunicação Institucional

A comunicação dos órgãos federais sofrerá alterações durante o período eleitoral no Brasil. Desde o dia 2 de julho de 2022, os canais de comunicação da FURG, bem como das demais Instituições Federais de Ensino Superior, seguirão determinadas diretrizes na divulgação de conteúdos. A medida se estende até 2 de outubro de 2022, data do primeiro turno, ou até 30 de outubro de 2022 caso a disputa siga ao segundo turno. As restrições irão afetar o portal da FURG, os sites dos campi e todas as demais páginas institucionais da universidade e se aplicam aos conteúdos veiculados, independentemente do meio pelo qual se realizam. E-mails institucionais também são considerados nas medidas previstas para o período eleitoral. Segundo as diretrizes, a comunicação exercida pelos órgãos de governo deverá, no período eleitoral, priorizar conteúdos estritamente informativos ou de interesse do cidadão vinculadas à prestação de serviços públicos. Ficam assim vedadas as publicações que contenham nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos, assim como conteúdos ou análises com juízo de valor sobre ações, políticas públicas e programas sociais e comparações entre gestões de governo.

 

A Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) está realizando uma pesquisa sobre habilidades sociais e consumo de álcool.

Quem pode participar? Pessoas entre 18 e 25 anos, que não apresentem nenhum transtorno psiquiátrico ou neurológico grave.

Como participar? Acessando link: https://forms.gle/s5iW2JhRqidM2Cft7

Pode ser uma imagem de ‎1 pessoa, bebida e ‎texto que diz "‎VOCÊ JÁ PENSOU SE AS SUAS HABILIDADES SOCIAIS AFETAM SEU CONSUMO DE ÁLCOOL? NÓS ESTAMOS ESTUDANDO SOBRE ISSO! Se você tem enÈre 18 e 25 anos participe da nossa pesquisa Você só precisará responder questionários ao final receberá todos 08 resultados UNIFESP माש DE Se deseja participar, acesse 0 QR Code abaixo Buscamos saber mais sobre os riscos associados ao consumo de álcool habilidades sociais Entender os motivos para as pessoas consumirem nos ajuda criar meios de prevenir uso nocivo de bebidas alcoólicas‎"‎‎

Banner: UNIFESP

Uma reportagem publicada em 1º de agosto de 2022, redigido pela psiquiatra Analice Gigliotti, fala sobre a dependência de substâncias psicoativas e o suicídio. Segundo um estudo realizado pela Universidade de Brasília (UnB), 4 em cada 10 pessoas que cometeram suicídio no Distrito Federal, entre 2005 e 2014, usavam álcool ou outras drogas psicoativas.

Leia a reportagem completa: clicando aqui

Álcool, O Alcoolismo, Vodka, Vinho, O Hábito DeDrogas, Viciado Em, Vício, Problema, Seringa, Saúde

Imagens: Pixabay

 

 

Como funciona um cigarro eletrônico? O cigarro eletrônico, também conhecido como dispositivo eletrônico para fumar (DEF), vaper, pod, e-cigarrete, e-cig, e-pipe, heat not burn, tabaco aquecido, entre outros, contém uma bateria, um atomizador e um cartucho. O dispositivo libera aerossóis como resultado do aquecimento do líquido (que também pode ser um óleo ou uma resina) contido no cartucho, e a pessoa inala esse vapor.

Qual a composição do cigarro eletrônico? O líquido que é vaporizado contém solventes, como glicerina e propilenoglicol, e diferentes concentrações de nicotina, água e aromatizantes. Estudos têm demonstrado que esses produtos liberam níquel, cromo, cádmio, estanho, chumbo, manganês e arsênico, e várias dessas substâncias são classificadas como tóxicas, cancerígenas e causadoras de enfisema pulmonar e dermatite.

O cigarro eletrônico ajuda no tratamento do tabagismo? Estudos iniciais patrocinados pela indústria do cigarro demonstraram que cigarros eletrônicos poderiam ser úteis na cessação do tabagismo. Porém, com o avanço das pesquisas científicas, foram descobertos potenciais danos à saúde gerados por esses dispositivos eletrônicos. Portanto, ainda que possam parecer menos prejudiciais que os cigarros convencionais, não podem ser considerados como estratégias para redução de danos à saúde.

No Brasil é permitido comprar esse produto? Não. A comercialização, importação e propaganda destes dispositivos são proibidas no Brasil, por meio da Resolução da ANVISA - RDC nº 46/2009.

Para maiores informações, acesse as referências abaixo:
1) Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA): clique aqui
2) Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas (ABEAD): clique aqui
3) Instituto Nacional do Câncer (INCA): clique aqui

 

Fotos grátis de Ecigarette

Imagem: Pixabay

 

O projeto Estratégias no cuidado da saúde dos pacientes usuários de substâncias psicoativas: a importância dos grupos terapêuticos, coordenado pela Profa. Ana Baisch, coordenadora do CENPRE, foi aprovado para o Programa de Iniciação Científica da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (PIC/EBSERH). O Edital tem como objetivo a concessão de bolsas de iniciação científica para estudantes de graduação, cujos projetos de pesquisa sejam executados no Hospital Universitário da FURG/EBSERH.

O CENPRE tem como foco a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, e ao ser contemplado com a bolsa do presente Edital, cumpre com os objetivos da proposta, que é impulsionar o desenvolvimento pessoal e profissional dos estudantes; estimular a inserção de alunos em atividades de formação científica aplicada à área da saúde; estimular o desenvolvimento de pesquisas no âmbito do Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. Hu-Furg/Ebserh; promover a articulação entre alunos, programas de pós-graduação e unidades assistências do HU; contribuir para o desenvolvimento científico de pesquisadores locais; participar da formação de recursos humanos destinados à pesquisa científica voltada para a área da saúde; proporcionar aos estudantes a aproximação com métodos e vivência científica na área de saúde; e despertar o interesse em carreiras científicas, bem como, futuras admissões em programas de pós-graduação.

Fotos grátis de Comece

Imagem: Pixabay

 

No dia 16 de junho de 2022, a coordenadora do CENPRE, Profa. Ana Baisch, realizou conferência com o tema "O resveratrol e suas formas glicosiladas como alternativas terapêuticas para o tratamento da doença de Parkinson". A atividade faz parte de um projeto desenvolvido em parceria com pesquisadores do Brasil (FURG/ICB) e da França (Nantes Université/Unité en Sciences Biologiques et Biotechnologies).

Acesse a notícia na página da FURG: clicando aqui

Profa. Ana Baisch (FURG/ICB) e Profa. Corinne Miral (França)

Imagem: arquivo pessoal