08/08/2018 - A enfermeira Maria da Penha, os psicólogos Cristiane e Janderson e a assistente social Liziane participaram da roda de conversa sobre saúde mental, promovido pela Coordenação de Psicologia Organizacional e Serviço Social, da Pró-reitora de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas. Os participantes discutiram sobre o acolhimento e o fluxo de atendimento dos usuários em saúde mental.

10/08/2018 - A equipe do CENPRE esteve presente no Seminário Regional Sul de Políticas Públicas sobre Drogas: outras palavras e outros olhares sobre drogas, ocorrido no Centro de Convivência dos Meninos do Mar (CCMAR).

19/08/2018 - A psicóloga Cristiane e a estagiária da Psicologia Juliana participaram do evento "Consultório na praça: ação afirmativa voltada aos cidadãos em situação de rua".

20/08/2018 - O consultor terapêutico Fernando Senna e os bolsistas João Marcelo e Pedro Henrique prestigiaram o evento alusivo os 10 anos do Centro de Convívio dos Meninos do Mar (CCMar).

22/08/2018 - O engenheiro Marco Leandro se reuniu com a assistente social Edineia, o consultor terapêutico Fernando Senna e a enfermeira Seiko para discussão e elaboração do prontuário eletrônico no CENPRE. A implantação do prontuário eletrônico visa a redução dos prontuários físicos e o aumento da segurança das informações. A previsão é de que a partir de 2019 todos os atendimentos sejam registrados no sistema.

29/08/2018 - Dia Nacional de Combate ao Fumo. O evento, promovido pela Diretoria de Atenção à Saúde (DAS), da Pró-reitora de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas, realizou distribuição de materiais educativos e de divulgação dos serviços de saúde.

29/08/2018 - O psicólogo Thiago Cordeiro participou da mesa redonda sobre o tema "Desinstitucionalização da loucura. Quem são os loucos?", inserida na II Jornada Acadêmica do Curso de Graduação em Psicologia da FURG.

A equipe da Enfermagem da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas/Diretoria de Atenção à Saúde (PROGEP/DAS), juntamente com a equipe do CENPRE, realizou ação alusiva ao Dia Nacional de Combate ao Fumo, distribuindo folhetos informativos e orientações no Campus Carreiros, Campus Saúde e Hospital Universitário. Em Rio Grande, a população pode procurar os seguintes serviços de atendimento:

  1. Centro Regional de Estudos, Pesquisa e Recuperação de Dependentes Químicos (CENPRE), localizado no Térreo do prédio anexo ao HU, telefone (53) 3233-0202
  2. Programa de Ajuda ao Fumante, na Ala Verde no Hospital Universitário (HU/FURG), telefone (53) 3233-8868

 

29 de agosto é o Dia Nacional de Combate ao Fumo e tem como objetivo reforçar as ações nacionais de sensibilização e mobilização da população para os danos pessoais, sociais, políticos, econômicos e ambientais causados pelo tabaco.

Segundo a Organização Mundial de Saúde o tabagismo é a principal causa de morte evitável em todo o mundo, sendo responsável por 63% dos óbitos relacionados às doenças crônicas não transmissíveis. Dessas, o tabagismo é responsável por 85% das mortes por doença pulmonar crônica (bronquite e enfisema), 30% por diversos tipos de câncer (pulmão, boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga, colo de útero, estômago e fígado), 25% por doença coronariana (angina e infarto) e 25% por doenças cerebrovasculares (acidente vascular cerebral).

Além de estar associado às doenças crônicas não transmissíveis, o tabagismo também é um fator importante de risco para o desenvolvimento de outras doenças, tais como - tuberculose, infecções respiratórias, úlcera gastrintestinal, impotência sexual, infertilidade em mulheres e homens, osteoporose, catarata, entre outras doenças. O consumo de tabaco e seus derivados mata milhões de indivíduos a cada ano. Se a tendência atual continuar, em 2030 o tabaco matará cerca de 8 milhões por ano sendo que 80% dessas mortes ocorrerão nos países da baixa e média renda.

No Brasil, como resultado das importantes ações de controle do tabaco desenvolvidas, a prevalência de tabagismo vem diminuindo ao longo dos anos.

Referências

Instituto Nacional do Câncer - INCA. Disponível em www.inca.gov.br

Organização Mundial de Saúde - OMS. Disponível em http://www.who.int/tobacco/global_report/2011/exec_summary/en/

 

Foi assim que começou. Era um grupo de professores e técnicos do Departamento de Ciências Fisiológicas da Universidade Federal do Rio Grande – FURG que, preocupados com os problemas relacionados com drogas, começaram a estudar e planejar uma forma de tratar o assunto. Como as armas que possuíam era a educação, criaram o “Programa Educativo e Preventivo sobre Drogas”. A iniciativa deu certo. O grupo cresceu, multiplicou-se e tornou-se multidisciplinar. As intervenções que eram planejadas para o Município do Rio Grande, logo atingiram a vizinha cidade de São José do Norte, mais tarde Santa Vitória do Palmar, Chuí, Pelotas a metade sul do Rio Grande do Sul, os países Vizinhos, Uruguai e Argentina. O reconhecimento logo foi Estadual, Nacional e Internacional. Vieram os financiamentos para o projeto do Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas (CONEN/RS), Secretarias, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, através da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD), da Embaixada Americana no Brasil, da Organização dos Estados Americanos e outros. Em paralelo o Projeto foi reconhecido pela sua capacidade técnica, e, como CENPRE, tornou-se um Centro de Referência em Formação de Recursos Humanos (CRR) na área de dependência química da SENAD. Mantém um Curso de Especialização na área e oferece diversos cursos de extensão universitária. Trata, ambulatorialmente, dependentes químicos e seus familiares, recebe estagiários e desenvolve pesquisa epidemiológica. Neste dia 20 de agosto comemora 29 anos de muito trabalho e ardente paciência para vencer as dificuldades de se manter atualizado e uma referência para a comunidade. Atualmente, com o grupo técnico renovado, capaz e produtivo, deverá avançar por, no mínimo, mais vinte nove anos e, como já foi escrito em outra oportunidade, deve ser repetido...

 

  Aos integrantes da atual equipe técnica do “CENPRE”, devemos lembrar que já fazem parte de uma grande história que iniciamos a contar de um Centro cujo homófono de sua sigla é “sempre” que significa - “em todo o tempo” – “sem cessar” – ou seja, que não deverá ter mais fim, e isso é responsabilidade de todos.

 

A equipe do CENPRE mantém a preocupação com a qualidade do acolhimento e realiza reuniões e estudos de caso para aprimorar o atendimento à população. Todas as pessoas que procuram o CENPRE, com ou sem encaminhamento, usuários do SUS e de convênios ou particulares, residentes ou não em Rio Grande, são acolhidos pela equipe. 

Profissionais e estagiários se reuniram na última terça-feira, 17/07/2018, para iniciar a revisão da ficha de acolhimento, instrumento que é utilizado pela equipe para cadastrar e coletar dados relacionados ao acompanhamento e evolução do paciente. Na ocasião, foi discutida a importância do acolhimento das pessoas que procuram o CENPRE, pois esse tema tem especial importância para a equipe e para o público.

O acolhimento é uma ação de aproximação e de escuta, um "estar com" e um "estar perto de", uma atitude de inclusão e um compromisso com o reconhecimento do outro, acolhendo as diferenças, as dores, as alegrias, os modos de viver e sentir a vida. O acolhimento é um compromisso coletivo de se envolver, um modo de produzir saúde, de construir vínculos e de buscar a garantia de acesso com responsabilidade e resolutividade (Brasil, 2010).

 

Referência: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de Saúde. 2.ed. 5.reimp. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

 

 

O consultor terapêutico Fernando Senna e a enfermeira Seiko, representando o CENPRE, participaram do III Encontro da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS Regional), ocorrido em 19 de julho de 2018. Durante o evento, a médica coordenadora da Unidade Cuidativa da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pelotas, Dra. Julieta Carriconde Fripp, dialogou sobre cuidados paliativos no contexto da rede de atenção à saúde. A Promotora de Justiça de Pelotas, Rosely de Azevedo Lopes, falou sobre a fragilidade da rede de atenção à saúde e sobre a necessidade primária de educação, prevenção e integração, principalmente entre os setores da saúde e da assistência social. E o Professor da Universidade Católica de Pelotas, Dr. Renato da Silva Della Vechia, discutiu questões relacionadas aos movimentos sociais e à macropolítica. No turno da tarde foi realizado um estudo de caso para iniciar o debate sobre matriciamento em saúde mental na RAPS.