Para dialogar sobre o tema "suicídio" é importante considerar o contexto e os diversos fatores, como por exemplo:

  • No Brasil, 51% dos casos de suicídio acontecem dentro de casa;
  • Estima-se que apenas um em cada três casos de tentativa de suicídio acesse os serviços de saúde;
  • Os transtornos mentais mais comumente associados ao comportamento suicida são: depressão, transtorno de humor bipolar, dependência de álcool e de outras drogas, esquizofrenias e alguns transtornos de personalidade (essas condições agravam a situação de risco);
  • O cenário da pandemia pode ter potencializado o sofrimento para algumas pessoas, em função do isolamento social, dos sentimentos de incerteza, do medo da doença e da morte, dos problemas financeiros e das dificuldades de acesso aos serviços de saúde;
  • No Brasil, a maior prevalência de casos notificados de tentativas de suicídio, se encontra na faixa etária de 20 a 49 anos, e o uso abusivo de álcool e de outras drogas, a vulnerabilidade social e financeira e o sofrimento psíquico são fatores de risco importantes neste cenário.

Os tópicos apresentados fazem parte da publicação "SUICÍDIO NA PANDEMIA COVID-19", elaborada com a participação dos pesquisadores colaboradores do Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (CEPEDES/Fiocruz), Departamento de Estudos sobre Violência e Saúde Jorge Careli (Claves/Fiocruz), Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio.

Para acessar o conteúdo completo: clique aqui.