Comunicação Institucional

A comunicação dos órgãos federais sofrerá alterações durante o período eleitoral no Brasil. Desde o dia 7 de julho de 2018, os canais de comunicação da FURG, bem como das demais Instituições Federais de Ensino Superior, seguirão determinadas diretrizes na divulgação de conteúdos. A medida se estende até 7 de outubro de 2018, data do primeiro turno, ou até 28 de outubro de 2018 caso a disputa siga ao segundo turno. As restrições irão afetar o portal da FURG, os sites dos campi e todas as demais páginas institucionais da universidade e se aplicam aos conteúdos veiculados, independentemente do meio pelo qual se realizam. E-mails institucionais também são considerados nas medidas previstas para o período eleitoral. Segundo as diretrizes, a comunicação exercida pelos órgãos de governo deverá, no período eleitoral, priorizar conteúdos estritamente informativos ou de interesse do cidadão vinculadas à prestação de serviços públicos. Ficam assim vedadas as publicações que contenham nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos, assim como conteúdos ou análises com juízo de valor sobre ações, políticas públicas e programas sociais e comparações entre gestões de governo.

A equipe da Enfermagem da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas/Diretoria de Atenção à Saúde (PROGEP/DAS), juntamente com a equipe do CENPRE, realizou ação alusiva ao Dia Nacional de Combate ao Fumo, distribuindo folhetos informativos e orientações no Campus Carreiros, Campus Saúde e Hospital Universitário. Em Rio Grande, a população pode procurar os seguintes serviços de atendimento:

  1. Centro Regional de Estudos, Pesquisa e Recuperação de Dependentes Químicos (CENPRE), localizado no Térreo do prédio anexo ao HU, telefone (53) 3233-0202
  2. Programa de Ajuda ao Fumante, na Ala Verde no Hospital Universitário (HU/FURG), telefone (53) 3233-8868

 

29 de agosto é o Dia Nacional de Combate ao Fumo e tem como objetivo reforçar as ações nacionais de sensibilização e mobilização da população para os danos pessoais, sociais, políticos, econômicos e ambientais causados pelo tabaco.

Segundo a Organização Mundial de Saúde o tabagismo é a principal causa de morte evitável em todo o mundo, sendo responsável por 63% dos óbitos relacionados às doenças crônicas não transmissíveis. Dessas, o tabagismo é responsável por 85% das mortes por doença pulmonar crônica (bronquite e enfisema), 30% por diversos tipos de câncer (pulmão, boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga, colo de útero, estômago e fígado), 25% por doença coronariana (angina e infarto) e 25% por doenças cerebrovasculares (acidente vascular cerebral).

Além de estar associado às doenças crônicas não transmissíveis, o tabagismo também é um fator importante de risco para o desenvolvimento de outras doenças, tais como - tuberculose, infecções respiratórias, úlcera gastrintestinal, impotência sexual, infertilidade em mulheres e homens, osteoporose, catarata, entre outras doenças. O consumo de tabaco e seus derivados mata milhões de indivíduos a cada ano. Se a tendência atual continuar, em 2030 o tabaco matará cerca de 8 milhões por ano sendo que 80% dessas mortes ocorrerão nos países da baixa e média renda.

No Brasil, como resultado das importantes ações de controle do tabaco desenvolvidas, a prevalência de tabagismo vem diminuindo ao longo dos anos.

Referências

Instituto Nacional do Câncer - INCA. Disponível em www.inca.gov.br

Organização Mundial de Saúde - OMS. Disponível em http://www.who.int/tobacco/global_report/2011/exec_summary/en/